Como as pesquisas de mercado se beneficiaram das novas tecnologias

Daniela Schermann
Como as pesquisas de mercado se beneficiaram das novas tecnologias

O surgimento da internet e das novas tecnologias revolucionaram a forma das pessoas se relacionarem e consumirem produtos, e transformou profundamente muitos mercados. Com as pesquisas de mercado não foi diferente.

Antes da internet invadir os lares e bolsos das pessoas, as pesquisas eram feitas apenas de forma presencial, por telefone ou até mesmo por correio. Mas os computadores, smartphones e tablets trouxeram mudanças significativas tanto para as empresas que buscam os dados e resultados quanto para quem reponde as pesquisas. Veja as principais:

Questionários online

Imagine quantas coisas você já não faz mais como antes por causa da internet: consultar extratos bancários, pesquisar produtos e serviços, se relacionar com os amigos, marcar consultar médicas, receber resultados de exames, comprar ingressos, ouvir música e tantas outras coisas.

A internet possibilitou também que as pessoas passassem a responder as pesquisas através de questionários online, o que facilitou imensamente tanto a vida do entrevistador quanto do entrevistado.

Para quem faz as perguntas, ficou muito mais fácil criar um formulário online e enviar por email para que as pessoas respondam do que tentar ligar ou abordá-las na rua. Existem diferentes ferramentas para se fazer isso, que permitem utilizar inclusive recursos interativos, como fotos e vídeos, para tornar os questionários mais claros e dinâmicos.

Em uma pesquisa que realizamos em 2014, descobrimos que 9 em cada 10 internautas preferem responder pesquisas em meios digitais. Para quem responde, é muito mais agradável preencher as respostas na hora em que tem tempo e disponibilidade, do que quando não está esperando por isso.

Painel de respondentes

Uma das grandes dificuldades para qualquer pessoa que quer fazer uma pesquisa é encontrar quem vai responder as suas perguntas. Com a internet, tornou-se possível criar um Painel de Respondentes, em que as pessoas se cadastram voluntariamente e participam de inúmeras pesquisas em troca de microrrecompensas.

O Opinion Box, por exemplo, possui um painel com 150 mil consumidores em todo o país que respondem nossas pequisas via web ou aplicativos para smartphones.

Nestes paineis, é possível encontrar públicos para diferentes tipos de pesquisa. Basta ter um banco de dados com algumas informações prévias das pessoas, como idade, renda mensal, sexo e região em que mora. A cada nova pesquisa realizada no painel, apenas as pessoas que tem o perfil necessário para aquela pesquisa vão receber o questionário.

Ao contratar um painel, no entanto, é importante se certificar de quais mecanismos de auditoria o painel utiliza para garantir que as informações passadas pelos usuários são verdadeiras.

Recomendado para você: Quando fazer uma pesquisa com o time de especialistas do Opinion Box?

Plataformas online

De um lado, a internet possibilitou a elaboração de questionários online. De outro, permitiu que se criassem painéis de respondentes. Algumas empresas criaram plataformas que uniram as duas pontas, resultando em soluções completas de pesquisas, em que a pessoa cria o seu questionário, define o seu público e recebe os resultados, sem sair da frente do computador.

O Opinion Box foi a primeira e é a plataforma de pesquisa online mais completa do país, em que você pode fazer pesquisas tanto no Painel Opinion Box quanto com seus próprios contatos, por email ou por link .

Análise dos dados

O primeiro passo para fazer uma análise dos dados de uma pesquisa é tabular os resultados e criar gráficos que facilitem a visualização dos resultados. Parece simples, mas dependendo do tamanho do banco de dados ou da complexidade da amostra, essa é uma etapa bem trabalhosa e que requer bastante atenção se for realizada manualmente.

A boa notícia é que algumas plataformas online entregam para você os resultados já tabulados, com gráficos de fácil visualização. No Opinion Box, por exemplo, você pode analisar os dados diretamente na ferramenta ou baixar o banco de dados já tabulado para o Excel e realizar diferentes cruzamentos.

Além disso, existem diversas ferramentas online que te ajudam a criar gráficos, infográficos e wordclouds, que vão te ajudar tanto a analisar os resultados quanto a apresentá-los para sua equipe, para a diretoria de sua empresa ou para um cliente. Nós já falamos aqui no blog, inclusive, de como as ferramentas online ajudam o dia a dia dos profissionais de marketing.

Pesquisas georreferenciadas

Para pesquisas realizadas presencialmente, os tablets também trouxeram um grande diferencial. Ao invés do entrevistador transcrever as respostas em papel, e depois digitar o que foi escrito, ele agora pode utilizar tablets em suas entrevistas, marcando as opções e digitando as respostas abertas diretamente nos formulários online.

Além disso, os tablets permitem maior controle das pesquisas, com geolocalização, gravação das entrevistas, fotos dos entrevistados, exibição de vídeos e fotos para os respondentes e controle automático das amostras de perfil.

Com todas essas mudanças, todos saíram ganhando. Os entrevistados podem responder as entrevistas com muito mais conforto e de forma mais interativa. Os profissionais do mercado de pesquisa conseguem trabalhar com mais agilidade, qualidade e segurança. E as empresas que consomem as pesquisas recebem resultados melhores, com muito mais velocidade e a um custo muito mais acessível.

Também poderá gostar de:

Porque fazer pesquisa de mercado: as vantagens para sua empresa Sua empresa não faz pesquisa de mercado? Você não entende quais são as vantagens que uma pesquisa de mercado pode trazer...
Smartphones e a pesquisa que explica por que você tem dormido melhor n... “Os ônibus estão mais silenciosos, agora eu consigo dormir com mais facilidade quando volto do trabalho para casa”. Ouvi...
AUTOR
Daniela Schermann

Daniela Schermann

Jornalista e Head de Marketing do Opinion Box, é especialista em Inbound Marketing e entende tudo sobre pesquisa e comportamento do consumidor. Prefere ser chamada só de Dani e está sempre aprendendo alguma coisa nova.