Como utilizar a pesquisa quantitativa para complementar a pesquisa qualitativa

Daniela Schermann
Como utilizar a pesquisa quantitativa para complementar a pesquisa qualitativa

A pesquisa qualitativa explora as informações de forma mais subjetiva, levando em conta o contexto, as particularidades e outros elementos não mensuráveis que permeiam o ambiente da pesquisa e os entrevistados.

Já a pesquisa quantitativa utiliza-se de uma amostra representativa para validar estatisticamente uma hipótese. Qual pesquisa é melhor, a qualitativa ou a quantitativa? A resposta para essa resposta depende de algumas variáveis. Mas existem alguns casos em que o ideal será utilizar as duas abordagens de pesquisa.

Os objetivos da pesquisa qualitativa e da pesquisa quantitativa são diferentes, e os resultados que você vai obter em cada uma delas também são bem distintos. Mas você pode usar a pesquisa quantitativa para complementar os resultados da qualitativa e obter resultados mais precisos ou rápidos. Vou explicar a diferença entre os dois tipos de pesquisa e mostrar alguns exemplos em que a pesquisa qualitativa e a quantitativa formam uma parceria de sucesso.

O que é pesquisa quantitativa?

A pesquisa quantitativa valida estatisticamente uma hipótese. Através de um questionário estruturado, é possível medir, quantificar e mensurar as respostas dos entrevistados e obter dados que vão confirmar ou contestar a hipótese inicial e ajudá-lo a resolver o seu problema de pesquisa.

Para que a pesquisa quantitativa tenha validade estatística, é preciso entrevistar uma amostra significativa e representativa daquela população que você pretende pesquisar. Assim, se a sua pesquisa pretende testar a aceitação de um produto voltado para mães, a sua população são todas as mulheres que possuem filhos, e a sua amostra deve conter mães de diferentes classes sociais e idades. Quanto mais pessoas você entrevistar, menor será a sua margem de erro, ou seja, mais precisa será a sua pesquisa de mercado.

As entrevistas podem ser feitas de diferentes formas: presencialmente, por telefone, por email ou por aplicativos por formulários impressos em papel, entre outras opções. Os resultados são compostos por números, dados, tabelas e gráficos, que vão mostrar os resultados de forma quantitativa, sem dar tanta importância para as motivações que levaram aos resultados obtidos.

O que é pesquisa qualitativa?

A pesquisa qualitativa, por outro lado, explora as informações de forma mais subjetiva, levando em conta o contexto, as particularidades e outros elementos não mensuráveis que permeiam o ambiente da pesquisa e os entrevistados.

As pesquisas qualitativas podem ocorrer através de grupos focais, entrevistas em profundidade, imersão etnográfica e muitas outras formas. No caso da pesquisa qualitativa, o entrevistador não irá apenas seguir um questionário estruturado e assinalar as respostas para que sejam quantificadas depois. Ele pode instigar os entrevistados a aprofundarem suas respostas sobre determinado assunto, se delongar mais sobre um tema e observar traços comportamentais dos entrevistados. O objetivo, normalmente, é entender as motivações e as subjetividades por trás da resposta.

Pesquisa qualitativa ou quantitativa: qual fazer?

A resposta para esta pergunta depende muito dos objetivos da sua pesquisa. Imagine, por exemplo, que você quer fazer uma pesquisa de mercado para testar a viabilidade de um produto. Você pode fazer uma pesquisa quantitativa para saber se as pessoas consumiriam seu produto, se ele resolve a dor delas, se existe um mercado consumidor e até entender quanto as pessoas estariam dispostas a pagar pelo seu produto.

Se o seu objetivo é entender melhor as motivações de cada um na hora de escolher o produto, entender a fundo o contexto em que elas usariam o produto e compreender em detalhes o comportamento delas para obter insights que ajudem a desenvolver melhor a ideia, aí a pesquisa pode ser qualitativa.

Em muitos casos, porém, o ideal é fazer tanto a pesquisa qualitativa como a quantitativa. Existem diversas situações em que a pesquisa quantitativa pode complementar os resultados da sua pesquisa de mercado. Veja três exemplos que ilustram bem essas situações:

Validar hipóteses antes de aprofundar o tema

Imagine que você ou seu cliente quer falar com jovens para entender por que eles consomem menos o produto X. Um grupo focal pode ser uma boa solução nesse caso. Reune-se um grupo de jovens para entender se tem algum outro produto similar que está substituindo esse, e também descobrir quais atributos, memórias ou referências eles associam a este produto. Talvez seja possível entender, por trás desses conceitos, o motivo do abandono do produto.

O grupo focal certamente poderá ajudar a encontrar essas respostas. Mas, antes de gastar tempo e dinheiro com isso, existe uma outra pergunta muito importante que precisa ser primeiramente respondida. Os jovens estão mesmo consumindo menos o produto X? Se esta é apenas uma percepção dos gestores da empresa, é preciso encontrar dados que comprovem essa tese.

Assim, é fundamental fazer primeiramente uma pesquisa quantitativa para comprovar essa hipótese rapidamente. Só depois, então, será a hora de fazer uma qualitativa, para aprofundar as motivações e ouvir de forma qualitativa o que eles tem a dizer sobre o produto.

Recrutar pessoas para pesquisas qualitativas

Uma marca quer fazer entrevistas em profundidade com mulheres que tiveram filho nos últimos dois anos, conciliaram carreira e maternidade e tiveram promoção ou aumento no emprego.

Um tema super importante e que pode gerar ótimos insights. Mas como encontrar mães com este perfil?

A pesquisa quantitativa pode ser um excelente canal para recrutar pessoas para a sua pesquisa qualitativa. Crie uma pesquisa de mercado online com quatro ou cinco perguntas que te ajudem a identificar esse perfil. Encerre a pesquisa perguntando se a pessoa estaria disposta a dar uma entrevista em profundidade sobre o tema. Lembre-se de solicitar o seu contato.

Em poucos dias você pode concluir um recrutamento que seria bem mais difícil ou caro de fazer de outra forma.

Obter mais dados para enriquecer os resultados

Vamos a mais um exemplo hipotético. Uma empresa fez uma pesquisa qualitativa para avaliar um aplicativo e obteve insights muito interessantes. Todos os participantes do grupo focal conheciam o app e o usavam frequentemente para resolver diversos problemas e necessidades do dia a dia. Os entrevistados fizeram ótimas observações, críticas e sugestões sobre o aplicativo.

Mas será que aquelas 12 pessoas representam a opinião dos consumidores em geral? As informações que eles forneceram são de grande valia para fazer melhorias no produto, mas com base no que aquele seleto grupo disse, é possível afirmar que o aplicativo é conhecido e usado por todos? Talvez não.

Para medir o grau de conhecimento e entender o comportamento do consumidor em geral, será necessário fazer uma pesquisa quantitativa. Dessa forma, com os resultados em mãos, é possível fazer uma análise mais completa e conclusiva. Pode-se descobrir, por exemplo, que apenas 12% dos consumidores que possuem smartphone conhecem o aplicativo. Desses, 40% o utilizam com frequência. Para quem utiliza com frequência, algumas melhorias poderiam ser feitas.

A pesquisa quantitativa pode ser usada para fornecer dados, números e informações que completem a apresentação e a análise dos resultados.

Quer fazer uma pesquisa quantitativa para complementar os resultados da sua pesquisa qualitativa? Utilize o Opinion Box. Você pode fazer uma pesquisa de mercado em poucos dias sem sair da frente do computador.

Também poderá gostar de:

Pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa: qual a diferença? Neste post nós vamos ensinar a diferença entre pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa e qual a hora certa para faz...
Desk research: como usar dados secundários em pesquisas de mercado Quem faz, já fez, ou quer fazer pesquisa de mercado com certeza ouve falar bastante de alguns termos especiais desse uni...
AUTOR
Daniela Schermann

Daniela Schermann

Jornalista e Líder de Marketing do Opinion Box, é especialista em Inbound Marketing e entende tudo sobre pesquisa e comportamento do consumidor. Prefere ser chamada só de Dani e está sempre aprendendo alguma coisa nova.

Daniela Schermann
Receba nossas novidades por e-mail