Prática de esportes na pandemia: o que mudou e como o brasileiro está se exercitando

Pedro D'Angelo
Prática de esportes na pandemia: o que mudou e como o brasileiro está se exercitando

Estamos vivendo um momento extremamente delicado, em que os números de óbitos crescem vertiginosamente, a situação financeira se complica cada vez mais para muitos brasileiros, os profissionais de saúde enfrentam desafios colossais e em algumas cidades o sistema já entra em colapso.

Para ajudar a conter o avanço do coronavírus, os governos e órgãos de saúde pedem que as pessoas fiquem em casa. Essas medidas de isolamento já duram mais de 2 meses no Brasil e, claro, impactam todas as esferas da nossa vida.

Em nossas pesquisas de mercado online já investigamos uma série de mudanças nos hábitos dos brasileiros.

Semanalmente, o Opinion Box se dedica a entender o impacto no turismo durante a pandemia, na educação e em todo o dia a dia do consumidor brasileiro.

Dessa vez, olhamos para um segmento diferente: o de esportes e exercícios físicos

Dentro de casa, estamos impossibilitados de frequentar academias e se exercitar em parques e praças. E com isso, o que acontece com a prática de esporte? É isso que vamos te mostrar agora!

Dados sobre a prática de esportes na pandemia: pesquisa exclusiva Opinion Box

O futuro da indústria em torno da prática de atividades físicas gera preocupação. Para entender melhor esse cenário, investigamos o que mudou nas práticas de atividades físicas antes, durante e depois da pandemia.

Antes de mais nada, é interessante notar como as pessoas tiveram que se adaptar para manter a prática de esportes. Antes, entre os que faziam atividades físicas, 59% caminhavam e corriam e, agora, entre os que continuam fazendo, esse número caiu para 39%.

Mas os números indicam que os que estão impedidos de correr ou caminhar por causa do isolamento pretendem voltar a praticar essas atividades quando tudo acabar.

Dança, yoga e pilates ganharam novos adeptos que gostaram, pois provavelmente vão continuar praticando após o isolamento. As atividades que tiveram menos impacto foram musculação, funcional e crossfit, que facilmente podem ser praticadas na sala de casa. Além disso, 42% pretendem continuar praticando após a crise, o que é uma ótima notícia para academias e personal trainers.

Serviços essenciais x esporte

Uma discussão frequente no isolamento é sobre o que abre e o que fecha no comércio. Diante das normas de quarentena, apenas os chamados serviços essenciais devem ficar abertos. Por outro lado, a lista de atividades liberadas pelo governo federal não para de aumentar, e nem sempre prefeitos e governadores concordam e acatam as decisões que vem do Planalto.

91% dos consumidores concordam que supermercado é uma atividade essencial, 88% incluem drogarias e farmácias na lista e 75% acham que os postos de gasolina são fundamentais.

No entanto, salões de beleza e academias, que foram incluídas recentemente na lista, não são consideradas essenciais pela
maioria. Apenas 11% incluiriam o salão de beleza na lista de atividades, e 8% as academias. Assim, resta saber o que o brasileiro pode fazer e vem fazendo para contornar essa situação.

Como será depois da pandemia?

Até o momento, podemos afirmar que o futuro é incerto para o setor de esporte.

Mas, ao que tudo indica, as coisas não devem mudar tanto assim depois que a pandemia passar. 47% pretendem começar ou voltar a frequentar a academia, 10 pontos percentuais a mais do que os que frequentavam antes. 27% vão continuar malhando em casa, 7 pontos percentuais acima do que os praticavam atividades em casa antes da pandemia. E, nos demais locais, a variação foi dentro da margem de erro.

Esses resultados são ainda reforçados pelo que vimos acima, de que apenas 39% acreditam que fazer atividades físicas em casa será uma tendência após o fim da pandemia. Ao que tudo indica, fazer esportes em casa é apenas uma medida paliativa enquanto as coisas não voltam ao normal.

Sobre a pesquisa

Os dados apresentados sobre o coronavírus na educação estão presentes na pesquisa sobre hábitos na pandemia no Brasil que realizamos.

A cada semana, entrevistamos em menos de 48 horas mais de 2.000 brasileiros de todas as regiões do país. Além de acompanhar alguns dados semanalmente para poder compará-los e identificar tendências, também trazemos temas e assuntos inéditos em todas as edições. Desta vez, nosso foco é nas atividades físicas e nas expectativas para esse mercado após a crise.

Para conferir a última edição e todos os outros materiais que lançamos sobre o tema, é só clicar no banner abaixo.

Prática de esportes na pandemia: o que mudou e como o brasileiro está se exercitando

Leia e descubra dados sobre consumo de produtos, perspectiva sobre o setor de turismo impacto na vida financeira, situação de profissionais prestadores de serviço e autônomos, e muito mais!

Quer obter dados sobre a prática de esportes e o comportamento do consumidor?

No meio de tudo que está acontecendo, gestores e profissionais precisam tomar decisões difíceis e encontrar caminhos para resistir à crise e sobreviver. Para ajudar diversas empresas e pessoas a tomar decisões com mais segurança, estamos já há oito semanas fazendo essa série de pesquisas sobre o comportamento do consumidor.

Esse tipo de pesquisa serve para contribuir com a segurança necessária para tomar decisões de negócio.

Mais do que nunca, é preciso agir a partir dos dados e do quanto você conhece seu consumidor e mercado.

Para saber mais sobre como a pesquisa pode ajudar – e encontrar o tipo de pesquisa certo para você, fale com o nosso time.  É só clicar no banner abaixo e marcar uma consultoria gratuita para conversarmos.

Também poderá gostar de:

AUTOR
Pedro D'Angelo

Pedro D'Angelo

É jornalista, mas decidiu aventurar-se com Marketing. Hiperativo e curioso por natureza, fala sobre qualquer assunto. Por isso, achou uma boa ideia sentar para escrever sobre eles.