Pesquisa exclusiva sobre bancos: perfil dos bancarizados no Brasil

Pedro D'Angelo
Pesquisa exclusiva sobre bancos: perfil dos bancarizados no Brasil

Os bancos fazem parte do nosso dia a dia há muito tempo. Muitas vezes considerados um mal necessário, precisamos de bancos para receber salários, fazer transações e para administrar nossas compras. Por isso, os bancarizados, ou seja, quem tem contas correntes abertas em pelo menos um banco, são um público que merece atenção. Como nos comportamos com dinheiro, aplicações, cartões e dívidas? Como usamos os bancos no dia a dia e o que esperamos deles?

Mais recentemente, o universo das instituições financeiras também sofreu mudanças por causa do meio digital. Surgiu o  conceito de internet banking, os aplicativos bancários e até mesmo bancos 100% digitais. E como isso influenciou no comportamento do consumidor?

Para responder às perguntas acima e muitas outras, realizamos uma pesquisa exclusiva com bancarizados brasileiros. Continue lendo para desvendar a relação dos brasileiros com bancos, produtos mais utilizados e como os bancarizados se comportam.

Relação do brasileiro com seu banco

A pesquisa que realizamos no nosso Painel de Consumidores começou perguntando aos internautas brasileiros em quais bancos eles têm conta corrente atualmente. Estimulamos 10 alternativas com os maiores bancos do Brasil e o campeão em adesão é a Caixa Econômica Federal, utilizada por 31% dos entrevistados. Logo em seguida vem o Banco do Brasil, com 28% de contas correntes. Os bancarizados do Bradesco e Itaú ficam com 24% e 23%, respectivamente.

Um dado interessante sobre a relação do brasileiro com seu banco atual é a satisfação. A satisfação dos clientes bancarizados com a instituição onde têm conta corrente é de 70%, sendo que 32% se dizem totalmente satisfeitos. Metade da amostra ainda vai além e afirma ser fiel ao banco que mais utiliza atualmente.

Os dados de fidelidade ajudam a explicar o tempo de conta que os brasileiros tem em seus bancos. Quase metade dos entrevistados, 47%, têm conta no mesmo banco há mais de 5 anos. 24% já são clientes há mais de 10 anos.

Mesmo assim, quisemos explorar a possibilidade dos bancarizados abandonarem seus bancos atuais por outros. Logo de cara, 13% disseram que nada os faria trocar de banco. Por outro lado, alguns motivos específicos poderiam fazer com que o brasileiro escolhesse uma nova instituição financeira. 68% considerariam um novo banco que cobrasse menos tarifas. Cartões de crédito sem anuidade fariam a diferença para 62%. Em seguida vem o atendimento diferenciado na agência e pelos canais de comunicação (44%) e programas de vantagens e fidelidade (40%).

Ainda que o brasileiro seja satisfeito de forma geral com seu banco, nem tudo na relação é fácil. 1 em cada 4 brasileiros diz só ter conta em banco por não ter escolha. Além disso, um alerta importante: 33% disseram já ter tido problemas com cobranças indevidas por parte do banco.

Por fim, outro dado alarmante é o número de pessoas que são vítimas de tentativas de golpes ligadas a pessoas se passando por seus bancos. 1 em cada 4 bancarizados já sofreu uma tentativa de golpe que tentava extorquir dinheiro ou dados pessoais em nome do banco.

Utilização de produtos e serviços bancários

Os bancos oferecem uma série de produtos e serviços para seus clientes, que tem níveis diferentes de uso e aceitação. Os produtos mais utilizados pelos bancarizados são os cartões de débito (70%) e crédito (50%), junto com as contas-poupança (59%). Os cheques, que já foram uma das principais formas utilizadas para pagamentos no dia a dia, só é utilizado por 14% da amostra. Também com uma aceitação menor vem empréstimos (19%), investimentos e financiamentos (11% cada).

Sabendo o que os bancarizados já usam, perguntamos também o que eles pretendem adotar nos próximos 12 meses. Novamente os cartões são muito citados: 33% querem passar a usar cartões de débito, enquanto 43% devem adquirir um cartão de crédito novo.

Quem pretende entrar no mercado de seguros ainda não precisa se intimidar tanto pelos bancos. Menos de 10% da amostra afirma ter algum tipo de seguro contratado com seu banco. Entre esses, seguro de vida e de carro são os mais contratados (9% cada), seguido de seguro para casa e saúde (6 e 5% respectivamente).

Banco físico x online: como estamos usando?

As funcionalidades virtuais dos bancos fazem sucesso pela praticidade de resolver questões diversas. Desde sacar dinheiro e fazer transferências até a contratação de serviços, o brasileiro aproveita o internet banking.

Pelo que descobrimos na pesquisa, 71% usam aplicativo do banco para celular. O site do próprio banco é usado por 44%, quase metade dos entrevistados. E quando perguntamos o canal mais utilizado, 60% afirmam que é o app para smartphone.

Esse índice de pessoas que buscam as soluções online também se refletem no que faz o brasileiro escolher um banco ao invés de outro. Quando perguntamos os motivos que levariam um bancarizado a mudar de banco, 58% citam a maior facilidade para resolver tudo pela internet. Para confirmar de vez a tendência do comportamento dos bancarizados se voltando para o digital, 1 em cada 4 bancarizados não se lembra a última vez que foi até sua agência bancária.

Recomendado para você:  Transformação digital nas empresas: o que é e por que só se fala nisso?

E quem não tem conta?

Aproveitamos a pesquisa para questionar também brasileiros que não possuem conta corrente em nenhum banco. 19% dos entrevistados afirmou não ter uma conta atualmente.

Um dado interessante sobre esse público é a diferença que encontramos em seu perfil sociodemográfico. Entre as classes CDE, 23% disseram não ter uma conta, enquanto apenas 6% das classes AB não usam banco nenhum. A predominância de não-bancarizados também está entre os mais jovens. 25% dos menores de 30 anos não têm conta, número que cai para 17% entre 30 a 49 anos e 10% entre quem tem mais de 50 anos de idade.

O principal motivo para não abrir uma conta no banco é não ter renda própria em quase metade dos casos (49%). Pessoas que preferem guardar seu dinheiro de outra forma somam 32%, a falta de confiança nos bancos é a razão de 8% e 13% têm outros motivos. Ainda assim, 31% da amostra afirma que pretende abrir uma conta nos próximos 12 meses.

Sobre a pesquisa

A pesquisa com bancarizados entrevistou 1740 internautas brasileiros no mês de fevereiro de 2017. Foram entrevistadas pessoas com conta em banco de todas as regiões do país e de todas as classes sociais. A margem de erro da pesquisa é de 2,3 pp e o intervalo de confiança é de 95%.

Todas as participantes estão cadastrados no nosso Painel de Respondentes. No Painel elas recebem as pesquisas próprias que o Opinion Box realiza, bem como as pesquisas contratadas por nossos clientes.

Quero fazer uma pesquisa com bancarizados no Brasil

Quer conhecer melhor o perfil dos clientes de bancos, seus hábitos de compra, consumo e muito mais? Faça uma pesquisa com apenas com o perfil de bancarizados. No Opinion Box, é só contratar uma pesquisa com segmentação específica e selecionar esse público.

Contratando uma pesquisa nesse modelo, você vai ouvir a opinião de pessoas de todo o Brasil que tenham conta corrente em pelo menos um banco.

Na Plataforma de Pesquisa, você pode criar o seu questionário, definir o público que irá respondê-la e analisar os dados. Tudo isso sem sair da frente do computador, em poucos dias e com custos acessíveis. Para testar a Plataforma, basta fazer o seu cadastro gratuitamente agora mesmo.

Também poderá gostar de:

Opinion Box e Mobile Time pesquisam: Comércio móvel no Brasil Você costuma fazer compras através do seu smartphone? O Opinion Box e o Mobile Time se uniram mais uma vez para pesquisa...
Mercado de laticínios: pesquisa inédita sobre hábitos de compra e marc... Os laticínios estão muito presentes na geladeira e na mesa dos brasileiros. Pense em um café da manhã completo. Com cert...
AUTOR
Pedro D'Angelo

Pedro D'Angelo

É jornalista, mas decidiu aventurar-se com Marketing. Aqui no Opinion Box, cuida de Projetos e Relacionamento com o Cliente. Hiperativo e curioso por natureza, fala sobre qualquer assunto. Por isso, achou uma boa ideia sentar para escrever sobre eles.

Daniela Schermann
Receba nossas novidades por e-mail