Consumo de produtos na pandemia: o que o brasileiro compra, o que cortou e como está gastando

Pedro D'Angelo
Consumo de produtos na pandemia: o que o brasileiro compra, o que cortou e como está gastando

A pandemia do novo coronavírus está transformando, ainda que temporariamente, o nosso consumo de produtos. Pessoas isoladas em casa, comércio fechado, supermercados tendo que se adaptar às novas regras e o e-commerce crescendo ainda mais. Tudo isso pede uma adaptação, tanto das pessoas quanto das empresas.

E diante de tanta mudança e de ainda mais incerteza, como fica o consumo de produtos na pandemia?

Cada setor faz a sua projeção, tem os seus dados, e o Opinion Box também quis levantar informações para entender o cenário atual. Por isso, entrevistamos consumidores de todo o Brasil para entender: como está o consumo de produtos na pandemia? O que estão comprando mais? O que está sendo menos consumido?

Veja agora alguns dados e análises que mostram a situação das principais categorias de produtos no dia a dia do consumidor.

Consumo de produtos na pandemia: o que mudou?

O Opinion Box está investigando o impacto da pandemia nos hábitos de compra e consumo no Brasil. Já foram duas edições da pesquisa que mostram o que muda no dia a dia (e no bolso) do consumidor.

A primeira onda da pesquisa aconteceu na última semana de março e mostrou disparada em alguns segmentos. No contexto da pesquisa, ela foi aplicada durante as primeiras semanas de isolamento proposto nos estados brasileiros.

De cara, produtos para limpeza da casa e higiene pessoal foram os que mais dispararam no período de  isolamento. No momento pesquisado, 45% haviam passado a consumir mais produtos de limpeza e 43% os produtos de higiene.

Além disso, o que mais registrou aumento foram as frutas e legumes (34%) e alimentos prontos/congelados (23%).

Mas e agora, com a nova onda da pesquisa, realizada uma semana depois?

Durante a primeira semana de abril, os consumidores já apontaram mais normalidade no consumo de produtos, mantendo igual a quantidade que comprava anteriormente.

Nas duas ondas da pesquisa, a pergunta se refere ao período anterior à pandemia. Por isso, no caso de produtos de limpeza e higiene, num primeiro momento, muitas pessoas compraram grandes quantidades desses produtos, e por isso agora já não precisam comprar tanto – apesar de ainda ter 40% de pessoas que estão consumindo mais produtos de limpeza e 37% que estão consumindo mais produtos de higiene pessoal.

As frutas, verduras e legumes também tiveram uma diminuição significativa entre aqueles que estão consumindo mais, o que pode ser explicado pela dificuldade em comprar e higienizar este tipo de alimento em períodos de isolamento.

Consumo de bebidas alcoólicas e remédios

Durante a crise que vivemos, é comum que surja a preocupação com duas categorias de produtos: bebidas alcoólicas e medicamentos.

Em períodos mais difíceis, não seria surpresa que o álcool e os remédios acabassem sendo mais procurados pelo consumidor. É uma boa notícia ver que o consumo de medicamentos e bebida alcoólica também não vem  crescendo – o que poderia ser uma preocupação em relação à ansiedade e à depressão que o isolamento pode causar.

Apenas 16% estão consumindo mais álcool, enquanto 11% estão recorrendo mais aos remédios. Outro ponto importante é que são as duas categorias que tiveram mais queda no consumo. 35% dizem estar bebendo menos e 40% consumindo menos medicamentos do que antes.

Como estão os preços durante a crise

Falando em consumo de produtos na pandemia, uma preocupação que toma conta é em relação aos preços praticados.

A pesquisa do Opinion Box não analisa dados de produção e de vendas dos setores, mas vale destacar que períodos de crise podem afetar o consumidor por meio dos preços praticados na prateleira.

Nos jornais do país não faltam matérias apontando variações de preço. Em Vitória, por exemplo, já se tem notícia de alta no preço de açúcar, leite, feijão, arroz e o óleo de soja, entre outros. Na Ceasa de Minas Gerais, frutas e legumes têm altas e baixas nos preços, dependendo do produto.

Enquanto isso, órgãos como o Procon e até mesmo a câmara dos deputados e o Senado já estão de olho em sanções para impedir variação extrema nos preços.

Para o consumidor, então, resta ficar de olho nas variações para não pagar caro demais. Afinal, como nossa pesquisa já apontou, 60% dos consumidores acham que sua renda vai diminuir em razão da pandemia.

Se tudo isso vai impactar de fato o consumo de produtos na pandemia, só as novas edições da pesquisa dirão.

Enquanto preparamos a terceira edição do nosso estudo, acompanhe tudo que já lançamos sobre o tema. É só clicar no banner abaixo e acessar.

Consumo de produtos na pandemia: o que o brasileiro compra, o que cortou e como está gastando

Como entender o comportamento do consumidor na crise

Em períodos de incertezas como o que estamos vivendo, informação é essencial. A pesquisa de mercado pode te ajudar a entender seu mercado, o impacto sobre o seu negócio e o que mudou no comportamento do consumidor.

Como nos dados que levantamos na pesquisa que investigou o consumo de produtos durante a pandemia, uma pesquisa de mercado aplicada junto ao consumidor pode trazer insights importantes.

Se o seu negócio, de qualquer forma, é impactado pela crise atual, experimente conversar com seu mercado. E o Opinion Box pode te ajudar!

Nós estamos ajudando diversas empresas a entender as mudanças de hábito e comportamento causadas pelo COVID-19, a validar serviços, produtos e mudanças no negócio e a realizar, online, as pesquisas que estavam programadas para serem feitas presencialmente ou por telefone. Se quiser conversar sobre os seus desafios e entender como podemos te ajudar, entre em contato!

É só clicar no banner abaixo e agendar uma consultoria gratuita com o nosso time. Estamos te esperando!

Também poderá gostar de:

AUTOR
Pedro D'Angelo

Pedro D'Angelo

É jornalista, mas decidiu aventurar-se com Marketing. Hiperativo e curioso por natureza, fala sobre qualquer assunto. Por isso, achou uma boa ideia sentar para escrever sobre eles.