Opinion Box pesquisa: comportamento dos jogadores de Pokémon Go no Brasil

Pedro D'Angelo
Opinion Box pesquisa: comportamento dos jogadores de Pokémon Go no Brasil

Com o sucesso do jogo Pokémon Go, que tem levado muita gente para a rua atrás de monstrinhos virtuais, o Opinion Box quis saber: Como o brasileiro está jogando Pokémon Go? Quem joga mais e por quê? Os jogadores estão dispostos a gastar dinheiro com o jogo? Para responder essas e outras questões, recorremos ao nosso Painel de Respondentes. Os resultados você confere abaixo, na nossa pesquisa exclusiva sobre Pokémon Go no Brasil.

A pesquisa foi realizada em agosto, com 1.883 internautas participantes do Painel de respondentes. A amostra da pesquisa respeita a distribuição de internautas brasileiros por sexo, idade, classe social e região do país. A margem de erro é de 2,3 pontos percentuais e o grau de confiança é de 95%.

Pokémon Go no Brasil

Pokémon Go chegou ao Brasil em 03 de agosto, quase um mês após o lançamento inicial em países como a Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Aqui no Brasil, depois da ansiedade e de notícias que tomaram conta da internet, o jogo ganhou milhares de adeptos no instante em que o aplicativo ficou disponível nas lojas para Android e iOs.

Hoje, no mundo todo, já são mais de 500 milhões de downloads do aplicativo pelo mundo.

A exposição que Pokémon Go teve se reflete logo no primeiro dado da pesquisa: 93% dos entrevistados conhece Pokémon Go. Destes, 44% afirmaram que sim, conhecem, já baixaram o app e experimentaram o jogo.

E quem ainda acha que games são coisa de menino pode tirar isso da cabeça. Entre os jogadores, a proporção entre homens e mulheres é de 48% a 52%, provando que elas saem, e muito, em busca de Pokémon. A distribuição dos jogadores pelas regiões do Brasil também respeita bem a proporção populacional: 50% estão no Sudeste, 22% no Nordeste, 14% no Sul e 7% tanto no Norte quanto no Centro-Oeste.

Em relação às idades, os números podem surpreender um pouco. 33% de quem já jogou Pokémon Go estão na faixa de 16 a 24 anos. 53% dos usuários do app tem entre 25 e 39 anos. Os 14% restantes tem mais de 40 anos e, nem por isso, deixam de jogar.

Parando de jogar?

Como falamos, Pokémon Go fez muito barulho quando foi lançado. A curiosidade inicial com o jogo, porém, passou rápido para muitos. Dos 44% de internautas brasileiros que experimentou o jogo, 58% continuaram firmes e disseram ainda jogar atualmente.

Comportamento dos jogadores atuais

Quem ainda está à procura de Pokémon pelas ruas, está fazendo isso com prazer. 24% desses jogadores são realmente ávidos e disseram que jogam Pokémon o tempo inteiro, não importa onde estejam. Outros 56% são mais comedidos e disseram jogar quando não tem outras tarefas a cumprir.

17% dos entrevistados, por outro lado, fazem parte do grande movimento de jogadores que têm tomado conta de praças e parques pelo Brasil. Eles dizem jogar apenas nesses lugares específicos. Os 3% restantes são mais desanimados e dizem jogar raramente.

Independentemente do lugar em que estão jogando 55% dos jogadores de Pokémon Go afirmaram entrar no game diariamente. 29% abrem o app entre 3 e 6 vezes por semana, 13% jogam em apenas um ou dois dias por semana e só 3% entram em uma frequência ainda menor.

Perguntamos também aos usuários o que eles mais gostam no jogo. Capturar e colecionar diferentes Pokémon é o mais interessante para 76% dos usuários. 10% apontaram a fantasia da realidade aumentada como fator mais legal. 7% gostam mesmo é de reunir os amigos para jogar. 6% gostam das batalhas entre Pokémon. O 1% restante apontou outros motivos.

Recomendado para você:  Comportamento do consumidor: cases de sucesso

Fãs antigos x Fãs novos

Como exploramos no nosso post que explica o sucesso de Pokémon Go, Pokémon é uma franquia gigantesca. A série Pokémon foi lançada no Japão em 1996 e, de lá para cá, conquistou uma legião de admiradores em todo mundo. A marca já rendeu dezenas de videogames, um desenho animado de muito sucesso, dezenas de filmes e todo tipo de produto imaginável.

Com isso em mente, perguntamos na nossa pesquisa se os jogadores de Pokémon Go já eram fãs da franquia, que existe há 20 anos. 75% dos entrevistados afirmou que sim, já conhecia o mundo Pokémon e era fã. Já os outros 25% são fãs novos, que conheceram a série por causa de Pokémon Go. Isso prova não só o valor da nostalgia como também o potencial, em paralelo, que as novidades tecnológicas têm em trazer novos fãs para uma franquia que já é de sucesso.

Motivos para não jogar Pokémon Go

Perguntamos também, para quem não joga mais e para quem nunca jogou, quais seriam os motivos para abandonar ou ignorar o jogo. Entre as várias alternativas possíveis, os respondentes podiam marcar quantas quisessem e se identificassem.

Em 55% dos casos, o jogo apenas não pareceu interessante para os respondentes. 19% disseram que seus smartphones não suportam o jogo.

Um fato interessante é que, em 7% das respostas os entrevistados disseram sentir medo de que o jogo os deixe viciados. Outros 5% afirmaram não gostar de jogos, enquanto 4% chegaram a jogar e não gostaram. Apenas 2% não jogaram por não possuir um aparelho smartphone.

Em 7% das respostas de quem não joga Pokémon Go, outros motivos foram apontados, como: falta de segurança ao andar com o Smartphone na mão; grande consumo de bateria em função do jogo; e até mesmo falta de tempo.

Opinion Box pesquisa: comportamento dos jogadores de Pokémon Go no Brasil

Dinheiro no app

Com todos os seus milhões de jogadores, já era de se esperar que Pokémon Go rendesse receita à Nintendo detentora dos direitos da série, à Niantic, desenvolvedora do jogo, e às lojas de apps. E o que aconteceu é realmente impressionante: Pokémon Go é o app que atingiu US$ 500 milhões (R$ 1,65 bilhão) de receita mais rápido na história. Isso em apenas 60 dias.

Sendo um app gratuito, a forma de gerar receita dentro do jogo é pela compra de itens que ajudam na jornada de quem captura Pokémon.

Para entender como o Brasil faz parte da receita monstruosa (sem trocadilhos) do jogo, perguntamos aos jogadores atuais se eles já gastaram ou pretendem gastar dinheiro com o jogo. 30% disseram que sim, já gastaram dinheiro de verdade com o jogo. Se o número parece baixo, outros 30% ajudam ao dizer que não investiram ainda, mas pretendem gastar dinheiro com o jogo. Os 40% restantes, porém, não gastaram e nem pretendem gastar com itens dentro do app.

Todos esses dados servem para mostrar o que há por trás de um grande sucesso como Pokémon Go e, claro, como as pesquisas podem desvendar vários aspectos de um negócio, produto ou ideia.

Para acompanhar mais resultados de pesquisas como este, é só clicar na nossa sessão de resultados aqui no blog. Para fazer a sua própria pesquisa e ter resultados como esses e muitos outros, cadastre-se agora mesmo no Opinion Box.

Também poderá gostar de:

Empreendedorismo: Pablo Escobar era um exemplo de homem de negócios? Já está na Netflix a segunda temporada da série Narcos. Se você ainda não assistiu aos dez primeiros episódios, saiba qu...
Comportamento do consumidor: quando uma ideia transforma os padrões de... Entender o comportamento do consumidor tem se tornado uma tarefa cada vez mais complexa. Não vamos falar aqui da forma c...
AUTOR
Pedro D'Angelo

Pedro D'Angelo

É jornalista, mas decidiu aventurar-se com Marketing. Hiperativo e curioso por natureza, fala sobre qualquer assunto. Por isso, achou uma boa ideia sentar para escrever sobre eles.