Pesquisa de comportamento: a relação do brasileiro com as selfies

Pedro D'Angelo
Pesquisa de comportamento: a relação do brasileiro com as selfies

Você já tirou alguns minutos do seu dia de hoje para tirar uma foto de si mesmo? Talvez você tenha visto alguém na rua, no ônibus ou no restaurante posando para a câmera frontal do celular, certo? Pode ser também que você não tenha reparado nisso, de tão corriqueiro que se tornou o hábito das pessoas de tirar fotos de si mesmo – ou melhor, de tirar uma selfie. Foi por isso que resolvemos fazer uma pesquisa de comportamento com os membros do nosso Painel de Respondentes. O que eles acham de selfies? Como eles preferem tirar essas fotos? Isso e muito mais foi o que descobrimos nessa nossa última pesquisa exclusiva, que você confere neste post.

Antes de mais nada, perguntamos aos 1.544 entrevistados qual foi a última vez que eles postaram uma selfie nas redes sociais. Um terço da amostra afirmou ter postado uma selfie há mais de um mês, ou seja, o faz com pouca frequência. 22% disseram ter publicado uma selfie nas últimas 24 horas, sendo que, destes, 6% disseram que essa última foto de si mesmos foi publicada na última hora.

Do total de entrevistados, 95% afirmaram ter tirado uma selfie em algum momento, enquanto os 5% restantes não estavam nem familiarizados com o termo. A frequência de selfies postadas diminui conforme a idade do entrevistado aumenta, mas o índice não cai muito. 24% das pessoas de até 29 anos postou uma selfie no último dia. Esse número cai para 21% na faixa etária de 30 a 49 anos e fica em 19% entre quem tem 50 anos ou mais. Homens e mulheres também têm comportamento parecido. 21% das mulheres tirou uma selfie nas últimas 24 horas, contra 23% dos homens.

Comportamento e opinião sobre selfies

Como tudo que é popular, as selfies costumam causar discussões e opiniões divergentes entre as pessoas. Há quem ame tirar fotos de si mesmo e ver as fotos dos outros, mas há quem condene o hábito. Existe até quem ganha – e muito – dinheiro com isso, como a socialite Kim Kardashian, que chegou até mesmo a publicar um livro com as melhores selfies do seu Instagram.

Entre os internautas que entrevistamos nesta pesquisa de comportamento, o hábito de tirar selfies é considerado por mais da metade (53%) como uma forma de expressar seus interesses pessoais e personalidade. 1 em cada 3 dos entrevistados ainda afirmaram que as selfies os fazem se sentir importantes e especiais. Por outro lado, 38% dos internautas avaliam que selfies demais são um alerta. Para eles, quem tira e posta selfies demais pode ter algum problema de personalidade.

Selfies e a autoestima do brasileiro

Também quisemos investigar, na pesquisa, como os brasileiros que conhecem selfies se vêem – ou desejam se ver. Primeiro, vale notar que 69% dos entrevistados se consideram bonitos. Destes, 26% têm uma autoestima ainda melhor: se consideram muito bonitos. Os que não se consideram nem feios nem bonitos somaram 25%. Aqueles que têm uma autoestima mais baixa e não se consideram bonitos foram 6%.

E mesmo se considerando mais bonitos do que feios, os brasileiros fazem esforço para ficar bem na foto. 76% disseram procurar o melhor ângulo e enquadramento para valorizar a própria imagem. Além disso, 31% já investiram em equipamentos para se fotografar, como “pau de selfie” e lentes especiais.

Onde as pessoas tiram suas selfies

Também perguntamos os locais preferidos para tirar selfies. Se você estiver online em um sábado à noite, provavelmente verá muitas selfies tiradas em festas e baladas. Essa opção foi a de lugares preferidos pelos brasileiros para tirar fotos deles mesmos, escolhida por metade dos entrevistados. Logo em seguida vêm os bares e restaurantes, apontados por 43% da amostra, a rua, com 40%; e shows, com 34%. Também podemos ver que o brasileiro dá uma parada nas tarefas para fotografar a si mesmo: 28% tiram selfies durante no trabalho.

Se machucar tirando selfie? Sim, acontece

Por mais que as selfies sejam uma mania divertida e uma forma de se expressar, nem sempre elas terminam bem. Um estudo da Universidade Carnegie Mellon e do Indraprastha Institute of Information Technology mostram que, entre março de 2014 e setembro de 2016, 127 pessoas morreram ao tentar tirar uma selfie pelo mundo afora.

Alguns casos não terminam tão tragicamente, mas podem acabar causando alguns problemas. Quando perguntados sobre o assunto, 16% dos nossos entrevistados indicaram que conhecem alguém que já se machucou tentando tirar uma selfie. Outros 6% foram ainda mais azarados: eles mesmos se machucaram. Esperamos que nenhum dos nossos entrevistados tenha se machucado gravemente ou tenha tido o mesmo azar dessa mulher, que caiu ao tirar uma selfie em um museu de Los Angeles e danificou obras avaliadas em mais de R$600 mil.

Sobre a pesquisa

A pesquisa de comportamento foi realizada com 1.544 internautas brasileiros, de todas as classes sociais, faixas etárias e regiões do país. A pesquisa tem margem de erro de 2,5 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.

Pesquisa de comportamento: como fazer?

Ficou curioso com os resultados dessa pesquisa? Então saiba que fazer sua própria pesquisa de comportamento no Opinion Box é bem fácil. Você pode, inclusive, optar se quer pesquisar pessoas anônimas, do nosso Painel de Respondentes, ou se prefere entrevistar seus próprios contatos. Veja como você pode fazer pesquisas com seus contatos até mesmo gratuitamente.

Também poderá gostar de:

Panorama Mobile Time/Opinion Box: Com Whatsapp e Messenger, vai acaban... A popularidade do Whatsapp já não surpreende ninguém. O aplicativo de troca de mensagens está nas mãos de todo mundo há ...
Pesquisa comércio móvel no Brasil: quinta edição do Panorama Mobile Ti... A cada seis meses, o Opinion Box e o Mobile Time realizam o Panorama Mobile Time/Opinion Box: Pesquisa Comércio Móvel no...
AUTOR
Pedro D'Angelo

Pedro D'Angelo

É jornalista, mas decidiu aventurar-se com Marketing. Aqui no Opinion Box, cuida de Projetos e Relacionamento com o Cliente. Hiperativo e curioso por natureza, fala sobre qualquer assunto. Por isso, achou uma boa ideia sentar para escrever sobre eles.

Daniela Schermann
Receba nossas novidades por e-mail